Parece, mas não é joia verdadeira

Alguns termos usados no universo da joalheria podem causar confusão por não serem bem compreendidos. Para que não haja dúvida no reconhecimento de uma joia verdadeira, confira as dicas a seguir:

Joia – É o objeto confeccionado com materiais nobres como gemas e metais (ouro, prata, platina e paládio). Há também a joia contemporânea, confeccionada com materiais nobres e a adição de materiais não convencionais como madeira, polímero, couro, aço, titânio, entre outros. A joia de autor é a joia confeccionada por quem cria uma peça única ou de tiragem limitada; é produto de um desenho e produzida por meio da técnica de joalheria artesanal na bancada.

Joia de arte – Chama-se joia de arte as peças inventivas, compostas a partir de ideias específicas com o propósito de enaltecer características únicas. Para criar a joia-arte, são necessários símbolos engenhosos com os quais se possa ter um envolvimento mais efetivo.

Biojoia – São os objetos produzidos com materiais de natureza orgânica, vegetal ou animal como sementes, folhas, frutos, capins, madeiras, chifres e ossos de animais empregando ou não o uso de metais nobres.

Adorno – Não é sinônimo de joia. É um objeto que tem por finalidade a ornamentação do corpo confeccionado desde a pré-história com materiais de baixo valor como conchas, rochas, ossos, penas de pássaros etc.

Bijuteria, joia falsa ou joia folheada – É a peça de baixo valor que não utiliza materiais nobres em sua fabricação e sim metais comuns como latão e zamac, por exemplo, banhados a ouro, prata ou ródio.

Agora você já consegue responder porque vale a pena investir em uma joia autêntica.

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someone